Carregando...
 

Alimenta aí, Galera - Adolescentes ligados na alimentação: uma experiência intersetorial do Governo de Brasília - DF como ferramenta de promoção da alimentação saudável para adolescentes de escolas públicas 

Autores do relato: Helen AltoeDuar Bastos; Maria Natacha ToralBertolin; Shirley Silva Diogo; Elizabete Rodrigues Benedik; Ricardo Oliveira da Costa; Tamara Braz Ribeiral

Local da experiência:  Brasília, Distrito Federal. 

Local de implementação: Escolas

Qual o público alvo?  Adolescentes

Qual foi a experiência desenvolvida?

Na adolescência consolida-se hábitos alimentares formados na infância; logo, conhecer os mecanismos envolvidos nesse processo é importante para que ações de educação alimentar e nutricional sejam efetivas no que concerne às modificações no padrão alimentar.

No Distrito Federal, a situação de saúde dos escolares adolescentes foi avaliada no Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes – ERICA, estudo multicêntrico nacional de base escolar, sob a coordenação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que objetivou estimar a prevalência de diabetes mellitus, obesidade e demais fatores de risco cardiovascular entre adolescentes de escolas públicas e privadas em cidades brasileiras com mais de 100.000 habitantes com a idade de 12 a 17 anos, que cursavam o 7º, 8º ou 9º ano do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio. No DF, a coleta foi realizada em 2013, abrangendo 2.242 alunos de 43 escolas, sendo 33 públicas, com a parceria e coordenação local da Universidade de Brasília – UnB, contando com o apoio da Secretaria de Estado de Educação.

A partir das análises identificou-se que cerca de 23,5% dos escolares apresentavam pelo menos um fator de risco cardiovascular alterado e 6,8% apresentam obesidade. Com esses resultados, foram realizadas reuniões intra e intersetoriais entre as Secretarias de Estado de Educação - SEE e Saúde - SES, juntamente com a UnB e a Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação do DF - EAPE, e posteriormente formalizado um Grupo de Trabalho entre esses entes para desenvolver um projeto de promoção de práticas alimentares adequadas voltado aos adolescentes.

O objetivo principal do projeto: desenvolver ações de educação alimentar e nutricional entre adolescentes de escolas públicas voltadas para a promoção de hábitos alimentares saudáveis, mediante a formação de profissionais da área da saúde e da educação. 

A metodologia do curso foi crítico-reflexiva, voltada para coordenadores pedagógicos de 14 escolas públicas que tivessem turmas com o público do estudo, além de profissionais da SES e nutricionistas da SEE. Os cursistas desenvolveram plano de ação com estratégias de diagnóstico da situação alimentar e nutricional dos escolares e do ambiente, além de implementar e avaliar ações de educação alimentar e nutricional nas escolas.

O curso teve a carga horária de 60 horas, com a formação de duas turmas, totalizando 37 alunos, com os temas: contexto biopsicossocial do adolescente, como diagnosticar a situação alimentar e nutricional, bem como avaliar se o ambiente da escola é promotor de alimentação saudável, além de instrumentos de avaliação da intervenção.

Dentre os resultados positivos destacam-se: a mobilização do governo local, a partir dos dados do ERICA; experiências válidas de intervenção nutricional naquelas escolas participantes que puderam se dedicar mais ao projeto e as avaliações positivas quanto ao curso dos participantes, valorizando essa estratégia e estimulando a sua continuidade.

Contato: helen.duar@gmail.com


Contribuíram para esta página: redenutri@unb.br .
Última modificação da página em Quinta-feira 30 de Março, 2017 14:52:51 BRT por redenutri@unb.br. (Versão 1)

Enquete

A Portaria 1.055 publicada em 25/04/2017 para o Programa Saúde na Escola prioriza ações de prevenção à obesidade infantil. Qual das ações propostas você considera mais desafiadora?





Anti-Bot verification code image Outro código

File is not an image.

Redes Sociais