Carregando...
 

Hortas Comunitárias nas Unidades de Saúde de São José dos Campos 

Autores do relato: Elizabeth Maria Bismarck Nasr; Elisa Farinha; Luciano Machado 

Local da experiência: São José dos Campos, São Paulo. 

Local de implementação: Unidades de Saúde

Qual o público alvo? Mulheres indígenas

Qual foi a experiência desenvolvida?

O Projeto Hortas Comunitárias nas Unidades de Saúde de São José dos Campos resultou de um trabalho em parceria entre o núcleo de Nutrição do Programa de Promoção da Saúde (Secretaria de Saúde) com a Assessoria de Educação Ambiental (Secretaria de Meio Ambiente), desenvolvido há cerca de 10 anos, referente ao estímulo à hortas urbanas e em pequenos espaços (Cultive uma Vida Saudável).

Foram selecionados 16 estabelecimentos (11 USF e 05 UBS, 36% das Unidades de Saúde do Município) com terreno disponível para o plantio de hortaliças. As etapas do processo de trabalho envolveram discussão sobre os critérios de inclusão para distribuição das hortaliças, capacitação de funcionários e lideranças da comunidade sobre os cuidados com a horta e compostagem, compra de equipamentos e utensílios, preparo dos canteiros e confecção de composteira doméstica.

O projeto contempla 3 Diretrizes da PNAN: Promoção da Alimentação Adequada e Saudável; Participação e Controle Social e; Cooperação e Articulação para a Segurança Alimentar e Nutricional. E encontra-se alinhado à Agenda A3P, do Ministério do Meio Ambiente e ao Plano Municipal de Resíduos Sólidos, uma vez que promove a compostagem de resíduos da copa das Unidades com objetivo de gerar adubo orgânico a partir do lixo que deixou de ser emitido para o aterro sanitário, colaborando para a preservação do meio ambiente e ampliando o tempo de vida útil do aterro e proporcionando aos usuários de maior vulnerabilidade social e de risco nutricional e/ ou portadores de doenças crônicas, o acesso à alimentos saudáveis que fazem parte do tratamento de suas patologias.

Os critérios de inclusão para beneficiários do Projeto consistiram em: - vulnerabilidade social (linha da pobreza ou famílias de menor renda per capita); - estado nutricional (presença de desnutrição e/ou excesso de peso em menores de cinco anos, gestantes, nutrizes e idosos); - presença de patologia onde a nutrição faça parte do tratamento. Sendo que as famílias precisam apresentar pelo menos 2 destes critérios. Os voluntários responsáveis pelo cuidado com a horta também têm direito ao recebimento da produção, independente da presença de algum dos critérios de inclusão descritos acima. 

Condicionalidades para permanência no Projeto: - Participação dos grupos educativos oferecidos pela UBS; - não faltar nas consultas; - Permanência na condição de vulnerabilidade social; - Prestação de serviço voluntário junto à horta. A distribuição dos alimentos ocorrerá conforme período adequado para colheita dos alimentos, priorizando inicialmente os casos mais vulneráveis tanto em nível social quanto sanitário e registrado em livro ATA.

Na próxima colheita, outras famílias receberão a produção, de forma que em longo prazo, todas as famílias elencadas poderão se beneficiar do Projeto. Trata-se de um estímulo concreto à alimentação saudável, com envolvimento da comunidade local, trabalha questões como solidariedade, preservação do meio ambiente e promoção da saúde.

Contato:  beth.bismarck@gmail.com


Contribuíram para esta página: redenutri@unb.br .
Última modificação da página em Quarta-feira 03 de Maio, 2017 11:33:28 BRT por redenutri@unb.br. (Versão 1)

Enquete

A Portaria 1.055 publicada em 25/04/2017 para o Programa Saúde na Escola prioriza ações de prevenção à obesidade infantil. Qual das ações propostas você considera mais desafiadora?





Anti-Bot verification code image Outro código

File is not an image.

Redes Sociais