Um grupo de trabalho internacional composto por 23 cientistas convocados pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC, na sigla em inglês), vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), avaliou a carcinogenicidade (potencial cancerígeno) do consumo de café, mate e bebidas muito quentes. O resumo das avaliações finais foi publicado nesta quarta-feira (15) na revista The Lancet Oncology(external link). As avaliações detalhadas serão publicadas no Volume 116 de Monografias da IARC.

O grupo de trabalho não encontrou evidências conclusivas sobre os efeitos cancerígenos no consumo de café. Entretanto, os especialistas descobriram que ingerir bebidas muito quentes (acima de 65º C) provavelmente causa câncer no esôfago em humanos. Não há evidências conclusivas sobre o consumo de mate em temperaturas não muito altas.

“Esses resultados sugerem que o consumo de bebidas muito quentes é uma das prováveis causas de câncer no esôfago e que é a temperatura, e não a bebida em si, que aparenta ser responsável por isso”, afirmou Cristopher Wild, diretor da IARC.

Bebidas muito quentes

A ingestão de bebidas muito quentes foi classificada como possível carcinogênico para humanos (Grupo 2A)

Isto foi baseado em evidência limitada de estudos epidemiológicos que mostraram associações positivas entre câncer do esôfago e o consumo de bebidas muito quentes. Estudos feitos em países como a China, República Islâmica do Irã, Turquia e América do Sul, onde o chá e o mate são ingeridos tradicionalmente em altas temperaturas (cerca de 70° C), apontaram que o risco de câncer no esôfago aumentou com a temperatura em que as bebidas eram consumidas.

Em experimentos envolvendo animais, também houve evidência limitada para a carcinogenicidade de água muito quente.

“Fumar e ingerir bebidas alcoólicas são as principais causas do câncer de esôfago, particularmente em muitos países de alta renda”, salientou Wild. “Entretanto, a maioria dos casos da doença ocorrem em partes da Ásia, América do Sul e África Ocidental, onde é comum o consumo de bebidas muito quentes e onde as razões para a alta incidência desse tipo de câncer não são bem compreendidas.”

O câncer de esôfago é a oitava causa mais comum de câncer do mundo(external link) e uma das principais causas de morte pela doença, com aproximadamente 400 mil óbitos registrados em 2012(external link) – 5% de todas as mortes por câncer. A proporção dos casos de câncer de esôfago, que podem estar ligados à ingestão de bebidas muito quentes, não é conhecida.

Mate

Mate gelado não mostra efeitos cancerígenos em experimentos com animais ou em estudos epidemiológicos.

Portanto, beber mate em temperaturas não tão altas não foi classificado como carcinogênico para humanos (Grupo 3).

A informação é baseada em evidências insuficientes em humanos para a carcinogenicidade da ingestão de mate gelado ou morno e evidências insuficientes em experimentos com animais para a carcinogenicidade de mate gelado como bebida.

Café                                   

O consumo de café não foi classificado quanto à sua carcinogenicidade para seres humanos (Grupo 3).

O grande corpo de evidências atualmente disponíveis levou à reavaliação da carcinogenicidade do consumo de café, previamente classificado como possível cancerígeno para humanos (Grupo 2B) pela IARC em 1991.

Depois de analisar minuciosamente mais de mil estudos em humanos e animais, o grupo de trabalho concluiu que não há evidências suficientes da carcinogenicidade do consumo de café em geral.

Muitos estudos epidemiológicos revelaram que a ingestão de café não possui efeitos carcinogênicos em relação aos cânceres de pâncreas, mama e próstata, e riscos reduzidos foram observados para cânceres de endométrio e fígado.

Para mais outros 20 tipos de cânceres, as evidências foram inconclusivas.

Nota para os editores

O Programa de Monografias da IARC tem o objetivo de classificar os riscos de câncer em relação ao potencial de qualquer substância que possa causar a doença com base nos conhecimentos atuais. A classificação não indica qual o nível de risco existente para a saúde das pessoas associado à exposição. A IARC, por exemplo, classificou o tabaco como carcinogênico para humanos (Grupo 1), mas a classificação não indica o aumento do risco para cada cigarro fumado.

Essa avaliação do grupo de trabalho está de acordo com o Technical Report Series 916 on Diet, Nutrition and the Prevention of Chronic Diseases da OMS, que afirma que as pessoas não devem consumir bebidas quando elas estão em temperaturas muito altas (escaldante).

Sobre a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC) é parte da Organização Mundial da Saúde. Sua missão é coordenar e realizar pesquisas sobre as causas do câncer, os mecanismos da carcinogênese, e desenvolver estratégias específicas para o controle da doença. A Agência está envolvida na investigação epidemiológica e laboratorial e dissemina informações científicas por meio de publicações, encontros, cursos e parcerias.