Um dos primeiros resultados da conversa foi a decisão de ter o meio ambiente como um dos temas centrais da Conferência Nacional de Segurança Alimentar que o Consea promoverá, em novembro, em Salvador. Isso significa que será dada maior ênfase a assuntos como acesso racional à água e meios de combate à desertificação, por exemplo. Renato Maluf comentou com a ministra a relação estreita entre os cuidados ambientais e a saúde alimentar.
"Iremos nos empenhar para integrar as prioridades do Consea nas agendas do MMA", respondeu Izabella Teixeira. Ela disse que o ministério vai redesenhar o programa de agrobiodiversidade para ampliar ainda mais o atendimento a comunidades rurais de baixa renda e insegurança alimentar, oferecendo práticas produtivas sustentáveis, que valorizem conhecimentos tradicionais e contribuam com a recuperação de áreas degradadas, para a melhoria da qualidade de vida.

O secretário interino de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do MMA, Roberto Vizentin, também presente no encontro, frisou a necessidade de proteção aos recursos naturais como meio de preservar a boa alimentação. "Afinal, a alimentação saudável depende da forma como os alimentos são produzidos". Ele lembrou as ações do MMA para a proteção de rios e o controle no uso de agrotóxicos. Lembrou ainda ações como o crédito de R$ 1,3 milhão que o MMA concede neste ano para projetos de mulheres indígenas que priorizem projetos para a conservação ambiental e segurança alimentar nas aldeias.